Amazônia (i)limitada: reminicências, percepções, projeções a partir de textualidades do século 21 (14. Deutscher Lusitanistentag)

No mundo pós-global, a tensão entre os interesses do capital financeiro, as agendas nacional-desenvolvimentistas que procuram expandir a produção agrícola, a extração de matéria-prima, a crescente ameaça à humanidade através das mudanças climáticas, a defesa da biodiversidade, os direitos e a autonomia das terras indígenas e camponesas são fatores que transformam o espaço geográfico da Amazônia em um lugar onde estas tensões materializam confrontos violentos. Da perspectiva da estética, da teoria crítico-literária e da história cultural, este painel pretende focar as temporalidades amazônicas, lidando com as reminiscências, percepções, projeções através de obras artísticas e literárias. Em termos de reminiscências de uma história textual e visual entre os séculos XIX e XX, a Amazônia sempre foi representada como um espaço da incontável e incalculável natureza selvagem; um território liminar às margens da chamada civilização (Euclides da Cunha, Margem da história, 1909) e da lei (Finazzi-Agrò, 2015), onde a hospitalidade e a hostilidade foram coexistindo sem contradição. No que concerne as percepções e projeções, a Amazônia e os trópicos tornaram-se muito cedo o lócus central para o imaginário europeu de seu outro. No entanto, tal lócus funcionou como a imaginação do paraíso terrestre, repleto de abundância e fertilidade, e ao mesmo tempo como a materialização do inferno, com inúmeras doenças tropicais, vida selvagem perigosa e a ideia europeia de degradação intelectual através do clima tropical (Ette 2015: 148) –– em suma, como um Inferno verde (Alberto Rangel, 1908) que se prolongou até a segunda metade do século XX com a ditatura militar no Brasil (1964 – 1989). Além disso, as imaginações de vida indígena oscilam entre o assombro – como o canibalismo tribal ilustrado por Hans Staden –, e a idealização expressa na concepção do “bom selvagem” e do indianismo romântico brasileiro. Na primeira metade do século XX a imagem do indígena foi utilizada para a construção da identidade nacional no “Manifesto Antropófago”, de Oswald de Andrade (1928). O conceito da Antropofagia oswaldiana foi então transformado em uma estratégia cultural quase pós-colonial durante os anos 1970, quando passou a ser concebido como a capacidade de absorção de elementos culturais estrangeiros, sendo transformados em algo novo que se torna um componente da cultura brasileira. No entanto, tais representações não deixam de constituírem um constructo para a imaginação sobre a própria natureza da Amazônia (Métraux, 1928; Sá, 2004). A forma como se concebe a Amazônia está culturalmente fundamentada no controle social do imaginário (Costa Lima, 1989), da natureza e sua relação com a literatura. No limiar do século XXI, uma série de textos que representam vozes indígenas vem reivindicar uma autoimaginação da floresta e de suas formas de vida, desafiando as concepções sobre a Amazônia que impuseram uma perspectiva excêntrica àquele espaço. Textos como A queda do céu (La Chute du Ciel, 2010) de Davi Kopenawa e Bruce Albert, e Ideias para adiar o fim do mundo (2019), O amanhã não está a venda (2020) e A vida é inútil (2020), de Ailton Krenak, questionam o próprio conceito do humano construído em oposição à flora e fauna, ou seja, em oposição à natureza, que ecoa nas descrições do Antropoceno e no que Álvaro Faleiros chamou de tradução xamânica (2020). Neste sentido, este painel procura discutir estas novas e mutáveis perspectivas da Amazônia, investigando o papel central que os textos (impressos e não impressos) e as imagens performam na construção imagética da Amazônia como um espaço real e habitado, onde pode surgir um conceito de co-habitação simultanemente cósmico e comunitário. Por favor enviam as suas propostas até o dia 31.5.2021 por e-mail aos coordenadores do painel (pauline.bachmann@uzh.ch; eduardo.jorge@rom.uzh.ch; andre.masseno@uzh.ch; dcarrillo.morell@rom.uzh.ch ). Os resumos não deveriam superar os 250 palavras.

14. Lusitanistentag, 15.;19.9.2021, Leipzig, Germany

https://www.lusitanistentag2021-leipzig.de/pagina-inicial/secoes/estudos-literarios/


OpenEdition suggests that you cite this post as follows:
pbachmann (February 5, 2021). Amazônia (i)limitada: reminicências, percepções, projeções a partir de textualidades do século 21 (14. Deutscher Lusitanistentag). Transregional Latin America Network. Retrieved July 21, 2024 from https://doi.org/10.58079/t9q8


You may also like...

Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search